Incêndio em Londres – uma tragédia prevista.

Quarta-feira, 14 de junho de 2017, ficou marcada como a data de um dos piores incêndios ocorridos em Londres, onde cerca de 80 pessoas morreram e outras 78 ficaram feridas, além de dezenas de desaparecidos que moravam na Grenfell Tower.
Incêndio em Londres 2017
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Quarta-feira, 14 de junho de 2017, ficou marcada como a data de um dos piores incêndios ocorridos em Londres, onde cerca de 80 pessoas morreram e outras 78 ficaram feridas, além de dezenas de desaparecidos que moravam na Grenfell Tower. Segundo investigações, o incêndio teria começado em um freezer e se alastrado com imensa rapidez. Por que aconteceu essa tragédia em Londres?

Para as autoridades londrinas, a tragédia deve-se, entre outros fatores, a utilização inadequada de um tipo de revestimento que fora aplicado na fachada do prédio. A autoridade administrativa de Kensington and Chelsea Tenant Management Organisation (KCTMO), organismo público que administra as habitações sociais do município, solicitou redução de custos na reforma do edifício, que ocorreu um ano antes da data da tragédia. Esse fato foi informado pelo Times e pela BBC que tiveram acesso a e-mails trocados entre os envolvidos.

O material sugerido para utilização na fachada foi o painel de alumínio, uma mistura de alumínio e polietileno (plástico), menos resistente ao fogo, em vez de placas de zinco. Isso resultou em uma economia de 333.000 euros, mas custou dezenas de vidas. Esse mesmo tipo de revestimento já foi identificado pelo governo britânico em outros 149 edifícios populares e que também não cumprem as exigências para a prevenção de incêndios. Há suspeita de que 600 construções no Reino Unido utilizem esse mesmo material.

Outro fator importante nesse caso foi a falta de segurança dos moradores e dos bombeiros. A equipe especializada teve muita dificuldade em estabelecer bases de apoio (ou de segurança), que são os pontos de controle de entrada dos bombeiros da linha de frente. Essas bases são fundamentais para observação do tempo que os profissionais podem permanecer em áreas perigosas e cheias de fumaças, através do controle da quantidade de ar disponível. O recomendado é que sejam montadas dois níveis abaixo do andar do incêndio. No caso da Torre Grenfell, não houve essa possibilidade porque o prédio estava todo tomado pelas chamas e existia um risco iminente de desabamento.

Essa primeira equipe também entra com equipamento reduzido pois sua principal função é resgatar vidas. Eles precisam subir o mais rápido possível e buscar por possíveis vítimas. Porém, o resgate às vítimas ficou comprometido, visto que o caminho de volta para fora do prédio, nas condições encontradas, era extremamente perigoso para as pessoas resgatadas. Em entrevista dada a BBC, o chefe da Brigada de Londres, Dany Coton, disse que os bombeiros, mesmo com as dificuldades, não hesitaram. “Eles subiam e desciam diversas vezes vasculhando os andares em busca de pessoas”.

Muitos edifícios londrinos possuem, como recomendação, a permanência dos moradores dentro de suas casas em caso de incêndios. A intenção é manter as escadas livres para a ação dos bombeiros e também isolar os corredores e as escadas da fumaça. Esse aconselhamento constava nas normas do Grenfell. Segundo especialista,para isso, o prédio deveria ter um bom sistema de extinção de fogo entre um andar e outro, o que não deve ter sido o caso da torre.

No Brasil, as orientações são para sair do apartamento imediatamente. Vale a pena consultar com regularidade o plano de emergência para o abandono em caso de chamas que todo edifício deve ter. Caso o seu não possua, entre em contato com o corpo de bombeiros ou com uma empresa especializada, como a Focus Resgate, para vistoriar o prédio e desenvolver esse plano.

Muitas vezes uma equipe de brigada de incêndio bem treinada pode prover a primeira resposta, antes mesmo da chegada do socorro especializado, com efeito imediato no combate às chamas, evitando, quase sempre, a propagação descontrolada do fogo, o que aumenta as chances de escape das pessoas que possam estar na edificação. Portanto, os profissionais devem se manter sempre atualizados através da participação em cursos especializados.

Infelizmente, a tragédia de Londres só evidencia que se as normas e procedimentos fossem respeitados, muitas vidas teriam sido salvas. Nenhuma economia em segurança é válida quando se tem tantas vidas em jogo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Estudo: trabalho X saúde

Uma pesquisa foi desenvolvida por pesquisadores de algumas universidades da Coréia do Sul. Buscava identificar a associação entre a idade, o tipo de trabalho que

Leia mais