Firefighters putting out a diesel fire at a Firefighter Training camp. (copyspace)

Uma pesquisa foi desenvolvida por pesquisadores de algumas universidades da Coréia do Sul. Buscava identificar a associação entre a idade, o tipo de trabalho que os bombeiros executam e a degeneração do disco intervertebral lombar1. Para tanto, foram avaliados 392 profissionais aleatórios, divididos por gênero, idade e tipo de trabalho (combate a incêndios, emergência, resgate e administrativo).

 

O estudo demonstrou que há uma crescente tendência à degeneração do disco intervertebral lombar com a idade. E que o trabalho de campo, como o combate a incêndio, emergência e resgate, pode acelerar o efeito na degeneração no nível L4-5. Possivelmente porque estes profissionais experimentam mais cargas mecânicas na parte inferior das costas. Os efeitos do trabalho de campo na degeneração do disco intervertebral lombar não foram claros nos discos além do nível L4-5.

Man with glowing spine CGI in 3D
Degeneração do Disco Intervertebral Lombar no nível L4-5

Os pesquisadores pontuaram algumas questões que explicam ou exemplificam o motivo da aceleração na degeneração. O combate a incêndios é uma ocupação perigosa, que apresenta altas demandas físicas e psicológicas. As tarefas de supressão de fogo impõem uma demanda musculoesquelética significativa por causa das posturas incomodas necessárias, como a flexão do tronco. O mesmo esforço é observado nos serviços de resgate e emergência. Os profissionais são submetidos ao manuseio de materiais pesados ou de pessoas, postura “estranha” e vibração do corpo inteiro para determinadas ações.

peso-do-equip-bombeiros_trat

No entanto, existem algumas limitações no estudo. Primeiro, a genética e algumas condições médicas, como diabetes e dislipidemia2, foram associadas à degeneração do disco intervertebral, mas não foram investigadas. Portanto, não foi possível identificar o efeito desses fatores na degeneração do disco intervertebral ou ajustá-los em análises estatísticas. Em segundo lugar, os fatores relacionados ao trabalho que podem estar associados à degeneração, como a duração do combate a incêndio e a condução de bombeiros ou ambulâncias.

 

Como podemos amenizar esse problema?

Aqui vão algumas dicas para a prevenção ou retardamento da degeneração estudada.

Postura
Procurar manter uma posição correta para: sentar, levantar, carregar peso. E ainda, abaixar para pegar um objeto, se inclinar para pegar algo ou alguém, para receber um objeto pesado das mãos de outra pessoa, entre outras. Fazer um treinamento adequado, com simulação de diversas situações, pode ajudar também.

Dieta
Procurar manter um peso adequado. Mais peso no corpo significa mais peso para a nossa coluna sustentar. Maior será a probabilidade de dores e aumento do risco de traumas na região lombar e na coluna como um todo.

Atividade física
Pratique esportes de forma regular. Se estiver enferrujado comece devagar, aumentando a intensidade progressivamente. Se tiver dores nas coxas e pernas, principalmente as que descem abaixo do joelho, procure a orientação do médico especialista antes de dar prosseguimento ao seu esporte.

 

 1O disco intervertebral é uma estrutura básica que fica entre duas vértebras. Os discos intervertebrais tamponam o estresse mecânico na coluna vertebral e permitem a flexão, a extensão, a flexão e a rotação da coluna vertebral.

Os discos intervertebrais lombares degeneram com a idade. A degeneração é uma das principais causas da dor lombar, pode levar a distúrbios sensoriais e fraqueza nas pernas, deficiência e má qualidade de vida e impõe alta carga econômica.

 A idade avançada está associada a uma maior prevalência de degeneração do disco intervertebral lombar. Fatores genéticos e fatores modificáveis, como obesidade, tabagismo, diabetes, aterosclerose, dislipidemia, densidade mineral óssea, ocupação e esporte também estão associados à degeneração.

 

2 Dislipidemia, hiperlipidemia ou hiperlipoproteinemia é um distúrbio nos níveis de lipídios e/ou lipoproteínas no sangue.

 

Artigo original completo
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4932319/

Compartilhe:

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *